Toxoplasmose na Gravidez

February 22, 2018

Olá!

Muitas vezes me perguntam sobre toxoplasmose, uma infecção relativamente comum, mas que pode causar sérios problemas, principalmente na formação do bebê se não for tratada adequadamente.

 

Por isso, resolvi trazer para vocês algumas informações para esclarecer as principais dúvidas sobre essa doença que popularmente é chamada de “doença de gato”, pois esse animal é hospedeiro definitivo do patógeno.

 

 

 

O que é toxoplasmose?

 

A toxoplasmose é uma infecção causada por um protozoário denominado Toxoplasma gondii (agente unicelular) e que atinge principalmente o cérebro e os olhos.

Estima-se que 1/3 dos humanos já tiveram este tipo de infecção, em todas as partes do mundo e supõe-se que mais de 1.200.000 de crianças têm algum tipo de deficiências em decorrência da infecção congênita, ou seja, aquela que foi adquirida pela mãe que transmitiu ao bebê, através da placenta e assim, o agente ao infectar o bebê e deixou sequelas.

 

Transmissão

 

A forma mais comum de transmissão acontece pela ingestão de oocistos do agente que são liberados pelas fezes de felinos e, assim, contaminam alimentos e água. Os oocistos são os locais de desenvolvimento de um parasita. Onde eles deixam de ser zigotos e passam a ser parasitas maduros.

Outras formas de transmissão são: através de carnes malcozidas, bem como, a transmissão pode de mãe para o filho, e muito raramente por transfusão sanguínea, transplante de órgãos ou inalação dos oocistos de toxoplasmose.

 

Sintomas

 

Em torno de 80% das infecções por toxoplasmose em adultos e crianças imunocompetentes são assintomáticas. Mas, quando ocorrem sintomas, os principais são: aumento dos linfonodos cervicais, acompanhado de febre e dores musculares.

 

 

Existem complicações?

 

O agente pode estabelecer cronicamente formando cistos que, ao ocorrer no cérebro pode remeter às alterações mentais. Outro risco, é quando a infecção atinge a retina (tecido mais profundo do olho) e na regeneração do tecido formam-se cicatrizes que podem levar à uma perda da visão.

 

 

Toxoplasmose e gravidez

 

Perigos da toxoplasmose para a gestante e para o bebê

Em relação à gestante, são aquelas alterações que já citei anteriormente, quanto ao bebê pode variar a ausência de sintomas e um desenvolvimento absolutamente normal até sintomas mais graves com a hidrocefalia, microcefalia, surdez congênitas, aborto, retardo do desenvolvimento psicomotor, deficiência intelectual, perda da acuidade visual, epilepsia, autismo.

E, também, a toxoplasmose quando adquirida na gestação pode aumentar na vida adulta as chances de sofrer de ansiedade, esquizofrenia, depressão, doença autoimune da tireoide, autoagressão e tentativas de suicídio.

Entre as primeiras 12 semanas da gravidez, o risco de transmissão vertical é menor, mas a probabilidade de aborto é maior e os danos ao organismo da criança são mais graves. À medida que a gravidez evolui, o risco de transmissão materno-fetal aumenta, mas as lesões na criança costumam ser menos agressivas.

 

 

Antes de engravidar é possível saber se tenho toxoplasmose?    

 

Sim, ao dosar a imunoglobina G (IgG) para toxoplasmose saberemos se houve contato anterior e se foi há mais de três meses, e nesta situação, se a paciente não tiver nenhuma imunodeficiência, é um dado positivo, pois, é indicação que se houver novo contato na gestação, já haverá as defesas organizadas que impedirão que a toxoplasmose atinja o bebê.

Porém, se a dosagem da imunoglobina M (IgM) for positiva é indicação de infecção recente e deste modo, as defesas não estarão preparadas e assim o agente poderá chegar ao bebê e com risco de levar às malformações.

Nesta situação é coletado o líquido amniótico para a pesquisa da presença do agente no bebê. E, inicia-se o tratamento medicamentoso mais precocemente possível.

Já se o IgG e o IgM da toxoplasmose forem negativos é indicação que a paciente nunca teve contato com o agente e assim, recomenda-se as medidas preventivas e repetir o exame durante a gravidez e a frequência depende da exposição da paciente.

 

 

Prevenção

 

Infelizmente não dispomos de vacina eficaz para a toxoplasmose, portanto, as principais medidas são evitar o contato através da ingestão de oocistos (forma de transmissão) do agente que são liberados pelas fezes de felinos e assim sugerimos não manipular felinos, se for sugiro levar ao veterinário para uma avaliação acerca da toxoplasmose. E, dado o risco de transmissão pelos alimentos contaminados evitar alimentar-se em locais de higiene duvidosa, quando for consumir alimentos crus, lavar e usar soluções à base de cloro, não consumir carnes vermelhas cruas ou malpassadas,

 

 

Cura e Tratamento

 

A doença tem cura por meio de uso de antibióticos, sendo os principais: a espiramicina e pirimetamina associada à sulfadiazina. Importante lembrar que o uso de antibióticos só pode ser realizado com prescrição médica.

 

Antes de encerrar gostaria de agradecer a veterinária Kelly, que fez a sugestão do conteúdo e inclusive participou ativamente deixando algumas orientações sobre a doença do ponto de vista veterinário, ou seja, os cuidados que precisamos ter com os bichinhos. É importante ter claro que não é necessário se livrar dos gatos e é isso que a Kelly vai esclarecer para a gente.

 

 

Quais são os animais que transmitem a doença e de que forma?

 

Kelly: O principal é o gato doméstico (sendo hospedeiro direto), mas também os felídeos selvagens, ratos. Há também hospedeiros intermediários como: humanos, peixes, invertebrados e aves.

 

Forma de transmissão: 

 

Ingestão de carne crua contendo cistos teciduais ou a ingestão de oocistos esporulados de alimentos ingeridos crus ou mal lavados ou contaminados.

 

É possível saber se meu animal está contaminado?

 

Kelly: O animal contaminado no caso, o gato, não apresenta nenhum sinal clínico.

Agora se o animal estiver imunossuprimido por alguma causa secundária (ex. diabetes), aí sim se apresenta características clínicas como: anorexia, febre, enterite, perda de peso, pneumonia, encefalite etc.

Para confirmação do diagnóstico é pedido exame parasitológico (de fezes) do animal e a sorologia para pesquisa da doença.

 

Há alguma vacina ou forma de evitar que o animal se contamine?

 

Kelly: Não existe vacina para prevenção, mas existem formas de evitar a contaminação  e a fórmula é sempre a PREVENÇÃO e muita HIGIENE:

 

  • Não alimentar seu gato com carne rua ou mal cozida.

  • Lavar mãos antes e depois de manipular alimentos crus.

  • Lavar bem frutas, hortaliças e deixe alguns minutos em água e hipoclorito, enxague bem antes de ingerir.

  • Cozimento adequado dos alimentos à 65ºC.

  • Gestantes e pessoas imunossuprimidas devem evitar limpar a caixa de areia do gato contaminado. Agora se não tiver ninguém pra limpar sugiro o uso de luvas  descartáveis e máscara, além de lavar com frequência com água fervente a caixa sem areia para destruição dos cistos e principalmente impedir o acesso do gato a rua telando casas e apartamentos.

  • Lavar as mãos sempre!

  • Combater insetos , ratos e baratas para que não contamine os alimentos no ambiente.

 

RESUMINDO:

 

Só ocorre a contaminação da Toxoplasmose por falta de prevenção!

O animal contaminado libera oocistos pelas fezes por um período de 2 a 3 semanas, após isso NÃO LIBERA MAIS, então não tem mais risco de contaminar o ser humano.

Não há a necessidade de se desfazer do seu animal e sim fazer a forma preventiva para que se tenha o BEM ESTAR ANIMAL E HUMANO.

Consulte sempre seu Médico Veterinário de confiança!

Obrigado

 

Dr. Kelly dos S. b. Cunha

Médica Veterinária-SP

Crmv 36501-sp

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

O que é Endometriose?

December 28, 2017

1/1
Please reload

Posts Recentes

February 22, 2018

December 28, 2017

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload